Translate (tradução)

quinta-feira, julho 09, 2009

REVIVIDAS "AULAS" DA PROFESSORA GABY ANTUNES

Ex-alunos do curso médio de jornalismo do IMEL (agora curso médio de Comunicação Social), ex-estudantes e estudantes do ISPRA (agora UPRA) que passaram pelas "mãos" da finada professora Gabriela Antunes renderam ontem, dia 08.07.09, uma homenagem àquela que consideram ser a sua professora-mãe.

A sala de projecções do IMEL, em Luanda, acolheu o acto brindado pela presença do vice-Ministro da Comunicação Social que procedeu à abertura do vento. Miguel de Carvalho "Wadijimbi" recordou que também foi aluno da professora Gaby e que ela foi pioneira do curso médio de jornalismo, fundado em 1983 no então Instituto Karl Marx Makarenko. O governante apelou aos presentes para a criação de uma associação sem fins lucrativos, Gabriela Antunes, como forma de perpectuar a sua memória.

Jorge Antunes Gomes, professor universitário, filho e também aluno esteve presente e falou sobre a experiência de ser filho-aluno da homenageiada.
Mais de meia centena de pessoas marcaram presença, destacando-se, alunos da professora, convidados e outros interessados na tertúlia em que foram recordados os bons e os "maus" momentos vividos na relação com a docente. Uma aula gravada foi ouvida e uma mensagem dos organizadores foi lida no fim do acto. Eis o texto redigido e lido pelo autor deste blog:

“Baptizaram-na Maria mas, dizia que seus alunos não podiam ser marias nem casar com marias.

Quer viessem da cidade ou da periferia, tratava os seus alunos de igual forma e quando não soubessem o obvio tratava-os por atrasados mentais.


Incentivava-os à leitura, quer viessem de famílias com nome ou sobrenome. Apelava à ambição. Uma ambição medida que tivesse por base apenas a competência, e que respeitasse a ética e os competidores, quando esses existissem.

Fez da elevação da cultura das novas gerações o seu cavalo de batalhas. Escreveu livros, ministrou aulas e seminários, promoveu eventos e fez homens.

Homens e mulheres que hoje desenvolvem o país, nas ares do pensamento e saber, no ensino, na medicina, nas ciências e até nas engenharias. Basta polhar para as redacções dos órgãos de comunicação social e nos CDI's dos ministérios e empresas. Em cada canto há um que dela bebeu conhecimentos técnicos e académicos e ensinamentos da vida.

A sua obra é estudada além fronteiras em universidades de Renome...
É de Maria Gabriela da Silva Antunes que falamos. A Professora Gaby. A nossa mestre-mãe.

Tratava-nos a todos como filhos. Pois ela tinha um único ventre: A formação do homem novo dotado de responsabilidade e “bien fair”. E cá estamos hoje para lhe render a merecida homenagem neste que seria o dia do seu 72 aniversário.

Quis Deus levá-la mais cedo. Antes mesmo de nos dar a última aula aqui no IMEL ou na UPRA. Mas tê-la-emos presente sempre que nos lembrarmos de onde viemos, onde estamos e para onde vamos.

Queremos ressaltar as qualidades daquela professora que procurava inculcar a excelência entre os seus pupilos.

A instrutora abnegada que não olhava a salários nem a pertences materiais para cumprir a sua missão.

Gerações várias por ela passaram. Connosco ficou o legado. Vamos levar avante o estandarte desta bandeira.

Se a sua partida para o descanso foi para nós uma tristeza, estar aqui hoje para recordar os feitos da Professora Gaby é a melhor prenda que atribuímos a cada um de nós.

E é dentro de nós que resiste a pergunta que em uníssono lançamos àqueles que fazem o país acontecer: Se com vida Portugal lhe “deu” uma rua, porque tarda tanto surgir uma escola ou Centro Cultural Gabriela Antunes?”


Luciano Canhanga

4 comentários:

Edson Macedo disse...

Meu caro.. A GA foi uma grande mulher. Mais do que tudo isso q descreveste, conseguiu emprego para muita gente na comunucação social, deu de comer do seu bolso a alunos q mesmo na universidade não tinham com o q comer e trtatouo os bois pelos nomes próprios.
Não fui aluno dela mas a conheci das conversas q com agrado participei e pude sempre aprender algo.
Rua em Angola? Porquê? Estabelecimento? Porquê? Ela deu aulas, não deu gasosas nem engrachou botas e muito menos pontas de sapatos filhinhos detentores de sabedoria e excelência única em comunicação no país...
Um bem haja à Gaby que de certeza vai saber conversar com Michael Jackson e dizer-lhe q o mundo não é para os justos. O lugar deles é o... OLIMPO.

Anónimo disse...

"AMEN!"

São

ANNA MATHAYA disse...

Uma pena que ninguém vê o que se escreve e que se fala após a a partida para o além (ou alguém vê, e a percepção é oculta a nós os humanos????), mas aqui vai tbm meu Epitáfios: Bem está, mais do que professora, educadora boa fiel!

Ângelo Oliveira disse...

Igualmente a minha homenagem à professora Gaby que também conheci nas lutas estudantis de 1975 e com coragem sempre enfrentou opositores da sua Direcção Geral no Ministério da Educação, mas com a mesma coragem deixou orfãos muitos
Angelo