Translate (tradução)

quarta-feira, março 11, 2009

A POBREZA LISBOETA DE QUE ANGOLA JÁ SE "DESFEZ"


Uma reportagem da SIC, passada às 20h50 de Angola (19h50 de Lisboa) do dia 17.02.2009 mostrou grutas escavadas em rochas pela acção natural e humana.


Mostrou a SIC dois homens, um negro e outro branco, falando bom português, que vivem naquelas cavernas em companhia de ratos, cobras, lagartos, lixo e outros vermes, como não tiveram pejo de afirmar. E vivem ali, com mais um vizinho humano que no momento da descoberta da SIC se encontrava ausente.


Tudo isso dito ipis verbis. “O Estado vê e finge que é cego”. O mundo ficou a saber que em plena capital portuguesa, Lisboa, e em pleno século XXI há ainda na Europa homens das cavernas…Só espero que não venham mais cá a tentar dar aulas de moral.

Por acaso alguém, por cá, Angola, conhece algum homem habitando uma gruta?

Disponho-me a pedradas!


Luciano Canhanga

11 comentários:

Angola Debates e Ideias- G. Patissa disse...

Mesmo ciente de vivermos a era do Marketing, onde a preocupação principal é impor a impressão de que a "nossa" sociedade é a ideal;

Mesmo ciente da fatal dialéctica que marca a vida - e no entanto assim como há trilionários é de justifica-se a existência de miseráveis;

Mesmo assim, repito, mesmo assim, chocam-me relatos deste tipo. Talvez tenha sensibilidade a mais, talvés seja a parvoice de poeta, mas choca-me.

Viver na gruta, a não ser que seja por turismo, é infra-humano.

Esqueci-o disse...

Em Angola não há só homens habitando uma gruta, há famílias a viverem ou sobriviverem em grutas no Namibe(pena que perdi os detalhes, pois o relato data de à 3 anos atrás).

MESU MA JIKUKA disse...

Prezado Esqueci(do),
Que tal se nos atermos a factos reais e recentes?
Seriam um grande contributo desapaixonado e sem animosidade...
Um abraço e vê se se lembra de um facto hodierno.

mafegos disse...

Luciano,sempre ouvi dizer que é melhor viver com os animais do que com os homens e que há muita miséria encoberta.
Penso que foi o pintor Malagatana,o moçambicano,que quando veio a Portugal nos idos de 60 e ficou admirado,de ver portugueses a viverem em barracas e então as milhares de pessoas que vivem,aqui no Porto,nas chamadas ilhas,onde as casas nem quartos de banho têm,normalmente o quarto de banho é comunitário,mas as pessoas nascem naquele sistema,que vivem perfeitamente assim,desde que paguem pouco de renda.
Realmente as pessoas aqui,preocupam-se em demasia com o que se passa em Angola,corrupção,ditadura,miséria e vão-se esquecendo que na sua própria terra,são roubados e existe um exercito de miseraveis.
Mas atenção,que isto não sirva,para que os angolanos julgarem,que vivem bem,porque para a maioria isso não é verdade.

Anónimo disse...

tão fácil atirar pedra ao vizinho quando temos telhado de vidro, se bem me recordo da reportagem, era opção dos habitantes permanecerem ali, embora já lhe tivesse sido dada oportunidade de mudar o estilo de vida.
agora pergunto será que em angola se vegeta pelas valetas por opção própria, as imagens podem ser vistas na net, penso que as condições de vida em alguns bairros de luanda são miseráveis.
se calhar não seria descabido que este blog, denunciasse essas situações e apelasse diàriamente à moral de quem deve fazer alguma coisa para mudar, ospobres agradecem
carla

MESU MA JIKUKA disse...

Mafegos,
Estamos sintonizados... Comungo de tuas ideias expressas no comentário acima.

Carla,
Pode estar estar cheia de razão, mas sóa a terá de facto se me responder a duas pequenas questões:
1- Há pobreza extrema opcional? Não foi o que ouvi dos homens da gruta lisboeta.
2- Os ciganos que vivem em Portugal em extrema pobreza (ainda hoje a SIC passou uma reportagem sobre eles) são ou não portugueses?

Um abraço a todos e aguardo "outras pedradas e curativos".

Afrika disse...

Ola, obrigado pela visita :D
Este teu tema é bastante pertinente, polémico e que tem muito pra dizer, prometo mais logo passar por aqui, e incluir o teu blog nos meus favoritos!

Mas te relembro como jornalista que és, que os media se dedicam unicamente a venda de informação!

Afrika disse...

Ola de novo, li a tua resposta no blog do Patissa, gostava de te responder mas não quero de forma alguma abusar e criar uma conversa paralela no blog de outrem quando a conversa é entre nos dois! :D Fui a procura do teu mail pra te responder, mas não encontrei. Se entretanto estiveres interessado, o mau mail aparece no meu perfil, deixa-me o teu e terei muito gosto de "discutir este assunto e quem sabe outros, contigo"

Esqueci-o disse...

Luciano acha que a situação de à 3 anos no Namibe mudou para melhor???(só se todos tiverem ido visitar São Pedro!!!!)Que tal pedirmos a "nossa" TPA para nos actualizar da pobreza real dos angolanos? Desculpa por não ter "factos reais", pois basiei o meu comentário no relato de uma pessoa bastante idónea que de certeza esta documentada o suficente pois necessita de tais dados para melhor fazer o seu trabalho.

mafegos disse...

Luciano
quanto aos ciganos é um problema muito complexo,que eu não sei se vou dizer alguma asneira,mas como sabes o povo cigano,não só em Portugal como no resto da Europa é um povo escorraçado e ainda no outro dia,uma menina de 10 morreu afogada em Italia,era cigana e as pessoas estavam ali e ali continuaram na maior descontração do mundo.
Porque será o povo cigano,persona non grata?
Primeiro por sobrevivência da raça,não se misturam com as outras raças.
Tem as sual leis próprias e não querem ser controlados pelo estado.
Não trabalham para gente das outras raças.
Não ves os ciganos a trabalhar,em fabricas,na construção civil em nada,a não ser nas feiras.
É gente que julga que só tem direitos e não tem deveres.

Anónimo disse...

Quantas vezes desejei refugiar-me numa gruta, longe de tudo e longe de todos?
Existem opções e opções.
A comunidade Cigana tem o meu respeito, mas realmente é uma comunidade muito pouco aberta e dada ao convivio com outro povo ou povos.Existem muitos problemas em tentar tirar o povo Cigano/nomada da rua E preciso sabermos respeitar.
O que me choca é que a pobreza de espirito muitas vezes é maior que a pobreza monetaria.....
Um abraço
São