Translate (tradução)

terça-feira, abril 01, 2008

VER, OUVIR E DIZER


A BANHA DE COBRA DA IURD

Inundam os jornais, espaços radiofónicos e inclusive Televisivos (TPA incluída), anúncios de uma igreja que “se arroga ao direito de ter substituido o Estado” no seu papel de socorrer as vítimas das inundações e doutras calamidades naturais.

Reporto-me à publicidade tóxica quanto e irritante passada pela IURD e que desagradaria até ao diabo.
-Quem ainda não se deparou com a falácia: “Igreja Universal doa mais de 200 toneladas de alimento”?

Há já mais de 1 mês que ocupa páginas inteiras na comunicação social, como se fosse a única que tem actos de caridade para com os necessitados, ou que estivesse a anunciar algo magistral e sem igual.

Não sendo notícia e atendendo que os veículos que o difundem não o fazem de graça, não teria sido muito mais frutuoso se se acrescentassem esses “rios de dinheiro” as 200 toneladas em vez de se estar a infestar os ventos com coisas que ningém lê?
- Onde anda a moral religiosa, meus senhores, quando a bíblia aconselha a orar baixinho e deixar que Deus, omnisciente, conte por nós e qualifique a importância das nossas oferendas?

Sem ter de falar da forma como é arrancado o dinheiro das mãos dos (in)fiéis, que já foi e é muito contestada, quero apenas dizer que não é, a meu ver, ético que andem por aí a publicitar, durante um mês, o que fizeram por gente aflita. Publicitar uma doação, é o mesmo que repontar qualquer outro acto. Melhor se não tivessem doado tais toneladas.

Tudo quanto sei é missão da igreja visitar os enfermos, dar de comer aos que têm fome e de beber aos que têm sede, algo que a patológica IURD há muito se esqueceu ,ou melhor, nunca soube.
É que chegam a ser enjoativos os anúncios desta –IURD- vendedora de banha de cobra. Fé e graça andam de mãos dadas e nem precisam de publicitação. Em qualquer denominação religiosa deve haver “mais graça em dar do que em receber”.

Luciano Canhanga

1 comentário:

Gociante Patissa disse...

Oi brother, spero q stjas bm e se jornalsta algum do mundo parasse de queimar o "fósforo" ao sábado ou domingo, ainda te dzjava bom dscanso ao fim-de-smana. Então, q se divirta d ti o trabalho, como aliás d todos nós. Então? Essas incursões pela nossa doce Angola adentro, qr dzr 1"adeus" katoka ou está em "gozo" de férias? Sei q é um assunto mais "pokóliko" (corruptela da palavra Umbundu "Po kolika" = de fórum restrito), e que um email seria o + aconslhávl. Abraços!
PS: em relação aos "candongueiros de fé, chantagistas emocionais", usando as palavras do poeta Fridolim Kalolakamwe... è o cúmulo!