Translate (tradução)

terça-feira, abril 08, 2008

PERCORRENDO O NORDESTE


Crónica de viagem

Quem acompanha estas crónica terá dado conta que já estive no centro do pais, saído da costa atlântica. Estou agora no nordeste, na região das lundas. Tal como no litoral, no centro e no sul, onde estive sobre rodas, aqui, o cenário pouco difere em termos de crescimento.

É certo que aqui é um extremo. Aqui terminou a colonização portuguesa, terminam as estradas, os apoios, enfim. Mas, mesmo assim, quem conheceu o nordeste ontem, e cá vier hoje, encontrará muitas mudanças. As cidades e vilarejos ganham novos rostos, as estradas vão sendo asfaltadas e alargadas com base no novo padrão. Os empresários vão acreditando e as novas edificações crescem de tempo em tempo. A vida vai melhorando e o custo dela vai baixando, fruto da transitabilidade por estradas. O governo através de programas específicos vai fazendo a sua parte e as populações também a sua.

Os aglomerados populacionais ganham escolas, centros médicos e outros serviços. Há aqui, no nordeste, um elemento importante: Os jangos comunitários, onde as populações se reúnem para tratar dos assuntos comunitários e legar a cultura aos mais novos. São também locais de lazer, contando alguns com a instalação de kits de TV(TPA) por satélite.

Quanto à disputa política, três bandeiras “dominam os ares”: Mpla, Prs e Unita marcam presença em todos os aglomerados ao longo da estrada Malanje/Saurimo e Saurimo/Luena, assinalando-se também a presença óbvia da bandeira nacional. Os aldeões contam que cenário idêntico se verifica no interland.

Outra nota de destaque é a falta de literatura no interior. Tudo se lê: cartazes propagandísticos, velhos jornais e revistas, enfim.

“É só para divertir os olhos e não ficar toda a hora a dormir”, disse um ancião na casa dos cinquenta, abordado à propósito, na aldeia de Kamundambala, 10km de Saurimo.

Luciano Canhanga

1 comentário:

MESUMAJIKUKA disse...

Crónica publicada no Jornal Cruzeiro do Sul, edição de 12 de Abril de 2008.