Translate (tradução)

sábado, fevereiro 19, 2011

PALANCAS OMNÍVORAS DEVORAM LEÕES

Confesso que nunca acreditei na presente selecção angolana de futebol que disputa no Sudão o CHAN. Considerei um mero exercício de sorte os empates diante da Tunísia e Senegal que valeram dois pontos a que se acresceu a tangencial vitória de 2-1 diante do Ruanda. Nos quartos de final, diante dos Camarões, nem mesmo os mais optimistas acreditavam num "taco-a-taco" frente aos indomáveis leões que sempre fizeram dos nossos campos a sua coutada em reencontros passados.

Desta vez o registo que fica para a história é porém diferente. A selecção angolana, mesmo sem ter marcado qualquer golo nos 90 minutos do tempo regulamentar, domou completamente os leões. Passeou e morou na "toca do leão" sem que pagasse alguma renda ou coisa parecida. Foi pena que o golo não tenha acontecido enquanto fizemos dos “temíveis” leões gato e sapato, sendo o jogo levado até ao prolongamento de trinta minutos repartidos em duas metades de quinze.

Já sem força nos trinta minutos adicionais, Angola "abandonou a toca do leão" mas aguentou a perseguição do “felino” até ao fim do prolongamento. Na marcação de penalties, onde é a sorte e a confiança quem mais ordenam, Angola acreditou que podia virar o jogo. "Caiu por cima do leão" mesmo quando tudo apontava para uma passagem dos camoroneses à fase seguinte, dado a falha de um penalty por parte de um jogador angolano. Só que o camaronês que selaria o golo da consagraçào acabou atirando a bola por cima da baliza e da mesma forma como falharam o quinto penalty voltaram a falhar o oitavo quando os Palancas, autoconfiantes na segunda fase dos tiros à baliza, aguardavam apenas pelo insucesso do adversário. E não é que o leão "mordeu mal o osso"?

Oito bolas introduzidas na baliza dos camaroneses contra sete  que Lamá não pôde defender conferiram o Passa Porte para as meias finais do CHAN.

Que venha o Sudão!

1 comentário:

Soberano Canhanga disse...

De rasto em rasto até à vitória.