Translate (tradução)

domingo, junho 17, 2007

NOMES QUE IDENTIFICAM AMIGOS


Acrescentou-me a Manú a uma lista de amigos dela a quem enviou uma mensagem particular. Que não tem nada a ver com o serviço.

E é a partir desta mgs que me vou debruçar hoje, nesta "viagem", falando dos diversos nomes e alcunhas que tive e tenho.
Em qualquer época da minha vida tive ou me deram sempre um nome. Em Casa fui sempre o Luciano e na década de 80 os meus amigos tratavam-me por Zurik.

No Início da década de 90, no Instituto Médio de Economia de Luanda (IMEL), os meus amigos e colegas tratavam-me por Star (de estrela/barra).

À saída do IMEL criamos um grupo de amigos/contemporâneos do Instituto e tratamo-nos até agora todos por Mussunda (alusão ao poema Mussunda Amigo de A. Neto).

Os meus amigos do Bairro Rangel chamam-me por Cabão ou General (fui sempre "líder") das “frentes”.

Nas lides jornalísticas e académicas (no ISCED e na UPRA) os colegas passaram a tratar-me e até agora por Canhanga.

De 2005 a esta parte, devido ao meu Blog
http://www.olhoatento.blogspot.com/, os amigos da blogsfera e outros tratam-me por Soberano, nome que acabei por atribuir ao meu Caçula, o Soberano Elsiano Canhanga.

Soberano Canhanga (estou com camisa amarela)

5 comentários:

mãos disse...

Todos te identificam, mas SOBERANO já o sabes onde ganhou espaço, ahahah. Foi na UCP entre Maio e Abril de 2005 em Lisboa, quando arrancou o blog OLHOATENTO que dava a conhecer o dia a dia dos participantes do Curso oferecido pela Gulbenkian.

Lembras ... EDITOR SOBERANO

Roseane disse...

De todos, acho Soberano o mais lindo. Enfim postei sobre maniçoba, passa lá..bom findi Soberano!!!

Manú disse...

S.C.

De todos fico com o Soberano Canhanga (SL).

Uma curiosidade Porquê chamas Manú e não Abbe são poucas as pessoas que chamam-me Manú aqui em Catóca. Como quando onde e por quem ficaste a saber deste nome?????????.

Quero todos detalhes.

Mto Grata,
Abbe Ribeiro ( Manú )

José Kundi disse...

Desde muito cedo me apercebi que os professores sabem muito mais do aquilo que ensinam, não porque nunca quizessem ensinar tudo o que sabem, mas porque numa aula é difícil ministrar tudo o que se sabe. Apego-me nessa lição da vida para dizer-te que ainda tem muito em ti que eu posso aprender e apreender, embora nessa babilônica cidade a minha caminhada esteja a ser árdua demais, mas contudo possível graças a Deus.Mas, o que dizer quando o coração exige e o corpo pode realizar esforços para que tal desejo seja feito?..de resto, apetece-nos agradar-lhe. Com muita saudade vivo muitas lembranças óptimas de ralhetes de noticiários mal lidos por mim, de desatenção à informações importantes do país, de RM´s mal cortados, de lides que precisavam ser mais precisos, em fim de um ambiente que só a redacção de uma rádio nos pode proprocionar.

Meu desejo é voltar a comentar seus artigos, aprender com as lições das tuas crónicas, meditar nos seus provérbios e tirar lições de vida no convívio salutar com as tuas palavras.
espero ler a tua resposta em relação aos temas do teu site e... como estás? da rádio o que pensas agora? Para aonde é que JESUS te projectou agora?..e tantas outras coisas mais... Pois sei que és bom de letras e não poupas esforço para escrever o que edifica e aguça os apetites dos sedentos pelo iluminismo científico.
Que o Senhor dos exércitos ilumine os teus passos e que te use mais vezes para dispertar-me força e coragem. Jesus te ama muito, nunca se esqueça disso, faça o que poderes para lhe adorares sempre com teu modo de viver.
Nunca me esqueci de ti
Essa é uma das cartas que nunca te escrevi, e que a minha a memória não quiz que fosse um desejo póstumo, algumas palavras só minhas.
A tristeza partilhada é metade do nosso sofrimento que passamos aos outros, mas a alegria manifesta no que somos é muito mais do que aquilo que sentimos. Pense nisso!!!
Sempre o seu aluno José Kundy
God Bless you

Soberano Canhanga disse...

Kundi,
Amigo Kundi, vou responder-te aqui e mandar-teum mail. Para que meu sentimento, neste momento, cole bem ao lado das maravilhosas palavras que me desejas.

Conseguiste arrancar-me uma lágrima, mas de alegria, fraternidade, de consolo...

Realmente fui muitas vezes chato enquanto editor, mas deu para todos aprendermos. Eu aprendi a liderar homens com as suas áriadas formas de apresentação. Psiquica e anímica, sobre tudo.

Os "ralhetes"vejo agora que não caíram em saco roto. Valeu a experiência que ambos partilhamos e o amor que me depositastes naqueles momento s de agonia, quando o fôlego da vida parecia evaporar.

Agradeço-te tb. pelo envio da carta que pretendeste "não ser póstuma". E quanto ao que faço agora, Sou chefe do Sector de Relações Públicas e Imagem da Sociedade Mineira de Catoca. Eastou aqui, na Lunda-Sul há 15 meses.
Continuo a reflectir e a agradecer sobre o nosso Grande Deus sobre Ele gravita todo o existir.
Vai me visitando no olhoatento e vamos interagindo. Os momento svividos contigo foram, realmente, uma escola.