Translate (tradução)

segunda-feira, novembro 10, 2014

FESTA PELO CARGO

Transcorria o mês de Março. O Estado estava em ebulição. Dois grupos animavam as conversas e as passeatas e contra passeatas davam sempre ao Largo da Luz. O puxa que puxa já se parecia ao jogo de "quem mais força tinha e quem com jeito (?) pretendia derrubar o elefante". Uns puxavam para baixo e outros para cima. Cada um dos contendores tinha um nome de código, usado apenas na intimidade dos seus integrantes.
Era manhã de sol. Adivinhando-se mais uma enchente no Largo da Luz, as zungueiras decidiram marcar presença com suas bacias cheias de tudo: magogas, cuecas de fio dental, água, kitaba, jinguba, etc. Tudo. Dentre as zungueiras mais conhecidas da urbe, Ndinha destacava-se pela robustez corporal e exibicionismo. O seu traje predileto era um collant vermelho por dentro de uns calções extremamente curtos que faziam parar toda freguesia. Era olhar e comprar. Tão forte era também o seu pregão que nas ruas já tinha ganho o epíteto de “patroa da Zunga”.
No bairro Vila Nova, onde residia, os adeptos do “puxa para baixo” preparavam a passeata anunciada para o Largo da Luz. A música dos “kuduristas revolucionários” tinha sido distribuída em doses megalómanas aos taxistas e adolescentes ainda sem o discernimento real sobre o estado do Estado. Doutro lado estavam os adeptos do “puxa para cima”. Estes estavam em maioria, quer em exibição sonora quer em número. A Vila Nova estava dividida ao meio, fazendo prever desacatos no final das marchas.
Desperta pelos ventos dos maus agoiros, Ndinha abandonou o negócio mais cedo e dirigiu-se ao bairro escolhido como “ponto de partida e de chegada” dos contendores. Mal pousou as imbambas na cozinha, a voz do marido fazia-se anunciar:
- Ndinha, Ndinhaaaaaa! Onde estás, meu amorzinho?!
- É o quê então, Jota? Queres já o meu dinheiro da zunga ou ganhaste no “kaluanda da sorte”?
Jota era desempregado e vivia de comissões em negócios que envolviam alguns notáveis do Estado.
- Ndinha, amorzinho da minha vida, subi de categoria.
- O quê?
- Sim, isso mesmo. Fui promovido. Chama a vizinha Kuditemu para trazer muita “birra e pincho”. Chama também todos os meus amigos da célula e tuas colegas da zunga. A festa começou e não há mais perguntas. É preciso comemorar à dimensão do cargo que não é pequeno...
- Mas te promoveram então aonde e para quê? - Ndinha, a mulher, ainda entre o sonho e a realidade, vai acompanhando o agitar da conversa do marido que liga para os amigos um a um. O DJ Malcriado já estava a montar as colunas de som, cujos decibéis prometiam inundar de som alto o bairro todo.
- Hoje o bairro todo vai me sentir. - Disse Jota em voz alta, deitando goela adentro uma “mini-birra”.
- Mas vão te sentir então o quê que não desembuchas nem para mim? Ou vendeste a nossa casa?
- Ndinha, não me enche de perguntas. Sou chefe de gente graúda. Não me deram ainda gabinete nem carro de função mas o que está para vir é muita coisa mesmo, acredita.
- Mas ó Jota, nem só um pingo ou uma pista me dás? Vou me gabar como às minhas amigas que mandaste convidar? Vou dizer o meu Jota ganhou “kaluanda da sorte” ou apanhou mbora diamante no comício?
- Vai filha, chama aquele vizinho jornalista da Rádio Kuribota. Diz chefe Jota está chamar para fazer o meus discurso de apresentação no bairro.
A mulher fez a curva da ruela que separava a sua casa do albergue onde Vangula Ciwa passava noites.
- Vizinho me desculpa só. Sô Jota, meu marido, é que me mandou vir convida-lo para uma festa que estamos a preparar lá em casa. Pediu também para o vizinho preparar um discurso para apresentar aos convidados todos que estão a chegar para a festa da nomeação dele. Vem gente importante. Disse ainda que o mesmo discurso que o vizinho vai escrever deve passar na Rádio, na TVA e no jornal Verdade.
O homem puxou pela cadeira e, antes mesmo que convidasse a vizinha para se sentar, la fora a música alta começou com o "mana me deixa, me deixa".
- Vizinha Ndinha, diz ao kota Jota que aceito o repto. Dentro de uma hora terei o discurso  pronto se me disser para que cargo o seu marido foi nomeado.
Ndinha, que também transbordava de alegria, reescreveu a curva e foi questionar novamente o marido para lhe dizer o tão importante cargo para que fora nomeado.
- Jota, amorzinho, o peão do Vangula já está a escrever o discurso. Baixei-lhe a ordem que emitiste. Ele disse só falta mesmo pôr já a função que te deram na célula.
Jota que pretendia guardar o trunfo para o momento mais alto da festa contraiu os ombros e disse:
- Sou secretário executivo da Liga.
- Liga, meu amor?!
- Sim liga...
- Liga milionária, liga dos veteranos, liga dos campeões ou liga de quê? Me explica bem que estou a ficar arrepiada com essa tua festa e esse teu segredo do cargo.
- Filha, oiça bem. Conheces o camarada Beltrano e o dirigente Fulano? Conheces o camarada Kapwete e o kota Kamundanda?
- Sim. Ando a lhes ver na TVA. São chefes. Têm boa vida mas o povo diz de boca aberta que são “bajus” e são eles que mandam bater os "revús"!
- Pois, então anota ai. Sou chefe deles. Me nomearam secretário executivo da "Libaju"!


Texto publicado no Semanário Angolense a 25.10.2014

Sem comentários: